EN PT

Exposição Só um Desejo de Nitidez Ampara o Mundo de Kika Nicolela

exposicao-kika-nicolela

Exposição Só um Desejo de Nitidez Ampara o Mundo
Artista: Kika Nicolela
Abertura: 17/01
Horário: 19h
Palestra: 21h
Visitação: 17/01 a 09/02 (quartas, quintas e sextas das 17h às 21h e sábados das 14h às 20h)
Entrada franca

A exposição Só um Desejo de Nitidez Ampara o Mundo propõe um recorte de obras recentes da artista paulista baseada em Bruxelas. Reúne vídeos de 2014 a 2018 que investigam e/ou propõem resistências às formas de dominação – capitalismo, colonialismo e patriarcado – por meio de estratégias que entrecruzam o documental, o ficcional e o performático. Vozes e corpos dissonantes que buscam formas outras de ocupar seu espaço no mundo.

Kika Nicolela se interessa ao encontro com o outro, mediado pela câmera. A câmera de vídeo é uma ferramenta para ela, não tanto para gravar, mas para provocar situações, relações e comportamentos. A câmera é essencial no seu processo de investigação sobre a representação e auto-representação, identidade e alteridade, retrato e auto-retrato, e de criar um espaço de flutuação entre esses binários. Além de 5 obras em vídeo – Ela e a Galinha, Cake D’Amour, Entre-temps#2, Tidelands e Biografias – Kika Nicolela irá apresentar sua obra mais recente, ainda inédita no Brasil, a vídeo-instalação generativa Metanoia, filmada na prisão das ruínas da Abadia de Villers (Bélgica). Kika Nicolela também apresentará uma vídeo performance em colaboração com membros da Terra Indígena do Morro dos Cavalos (SC), elaborada durante sua residência artística de 10 dias no O Sítio.

Memorial técnico: 6 obras em vídeo

Palestra
Imagem-relação: Os filmes de Kika Nicolela
Início: 21h

Trafegando entre o cinema e a arte contemporânea, cada vez mais presente tanto em exposições quanto em festivais de cinema, o filme de artista é uma entidade híbrida e às vezes de difícil definição/apreensão – e vem daí sua força. O filme de artista constantemente desafia a relação do espectador com a imagem, que no cinema mais tradicional é uma posição confortável, estável, pautada pela imersão na narrativa e em processos de identificação. A artista Kika Nicolela, que há 15 anos se dedica à realização e curadoria de filmes de artista, propõe nesta palestra refletir sobre a produção de filmes de artista até a sua recepção, a partir da análise de algumas de suas próprias obras e procedimentos.

Currículo Resumido do artista:

Graduada em Cinema e Vídeo pela Universidade de São Paulo e Mestre em Artes Visuais pela Universidade de Artes de Zurique, Kika Nicolela já participou de mais de uma centena de exposições individuais e coletivas em mais de 40 países com vídeo-projeções, instalações e fotografias. Entre os espaços em que já expôs, destacam-se o MASP – Museu de Arte de São Paulo, Museu da Imagem e do Som (São Paulo), Museu de Arte Moderna da Bahia (Salvador), Museu de Arte Moderna de Buenos Aires, Museu Ludwig (Colônia), GL Strand (Copenhagen), Parc de la Villette (Paris), Loop Gallery (Seul) e TPW Gallery (Toronto). Recebeu diversos prêmios no Brasil e exterior, tais como Melhor Video no festival Videoformes (Clermont- Ferrand, 2007), Melhor Video no FIVA Festival Internacional de Videoarte (Buenos Aires, 2012), Prêmio Funarte de Arte Contemporânea (2011) e Prêmio Mostras de Artistas no Exterior da Fundação Bienal (2010), além de ter sido finalista do do Extract – International Young Prize e do Prêmio Sergio Motta. Dentre as residências das quais participou, destacam-se os programas do Gyeonggi Creation Center (Coréia do Sul), Rote Fabrik (Suiça), Rondo Studio (Áustria), Objetifs (Cingapura) e LIFT Liasion of Independent Fimmakers of Toronto (Canadá). Como curadora, Kika Nicolela desenvolveu programas de vídeo para diversos festivais e instituições internacionais.

www.kikanicolela.com

Organização: KN Studio e Equipe O Sítio
Produção: João Aires, Fabio Machado e Bruno Castilho
Comunicação: Luiza Giordano e Paulo Abarno

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *