banco-mural-joana-brum

Joana Brum

“Iniciei meu caminho no design de produto, no qual acabei por perceber que não era o meio de produção mais adequado para mim, já que sentia a necessidade de me colocar de maneira mais direta e livre na produção, no caso a criação artística e não industrial. A criação que de fato me representasse.

Atualmente, no meu processo artístico, busco os conhecimentos a partir da reflexão e observação das necessidades de desenvolvimento do meu olhar/ideia sobre o mundo, a existência e, assim atuo na pintura. Busco relações com artistas que cruzaram meu caminho e me acolheram, e que acabaram por assumir a postura de mentores para mim. Estes mentores me proporcionaram obter conhecimentos e indicações de leituras que partem de seus repertórios particulares, em uma configuração onde a correspondência se dá de forma próxima e forte em uma relação de quem acompanha meu trabalho e acredita que, de alguma maneira, pode contribuir para o desenvolvimento da minha trajetória artística, tendo sempre um olhar crítico e potente, sempre construtivo e que agrega ao o que produzo.

O pintor e escritor Jayro Schmidt, que me acompanha no ateliê de pintura do CIC (Centro Integrado de Cultura), há aproximadamente dois anos, sempre me incentivou a aguçar meus sentidos e me proporcionou reflexões diretas e pontuais direcionadas para o crescimento do meu trabalho e da minha percepção. Também sou orientada pelo fotógrafo Paulo Greuel, grande amigo e mestre que contribui fortemente no meu processo de desenvolvimento criativo e reflexivo, sempre me motivando a acreditar nos meus pensamentos, posicionamentos e assim sustentá-los, aprofundando-me cada vez mais, com o intuito de alcançar a essência e assim no sentimento de flutuação”.

MEUS próximos eventos